quarta-feira, 19 de junho de 2013

"Possiamo darci del tu?"



O tratamento entre as pessoas aqui na Italia é bem respeitoso e educado. Enquanto nòs no Brasil tratamos somente pessoas mais velhas que nao temos intimidade por "Senhor/Senhora", o italiano, mas acredito que seja na Europa em geral, ao iniciar um diàlogo ,seja com um negociante ou colega de trabalho, assim que sente-se confortàvel em respeito ao outro, pergunta "Possiamo darci del tu?", ou seja, "Podemos nos tratar usando Tu?". Nao existe uma traduçao à essa frase em portugues pois simplesmente nao é nosso costume. 

Aqui, quando tratamos com pessoas que temos pouca intimidade usamos o pronome na 3° pessoa do singular "Lei" que significa o "Senhor/Senhora" em portugues.  Que seja um parente distante, a professora de seu filho, o médico de famìlia ou a funcionària do supermercado. Voce pode se permitir a perguntar se jà poderao tratar-se de forma informal(Tu) ao sentir que o relacionamento é diàrio , tem feeling ou simplesmente a abertura do outro em relaçao à voce é clara. E se voce achou que era hora mas o outro se surpreende, nao tem problema, ele irà te responder educadamente que prefere ainda "darsi del Lei"( tratar-se como senhor/senhora), indicando que ainda é cedo para essa intimidade. 

O caso é mais complexo do que eu imaginava pois existem pessoas que tem certa dificuldade em permitir essa aproximaçao com pessoas fora do circulo de amizade. Nao por maldade ou frieza, apenas por sentir-se invadida a pròpria intimidade. E aì vai da cultura e costumes. Sao pessoas que se sentem seguras em manter essa distancia até sentir quem està do outro lado, se vale a pena deixar entrar na sua vida. Ficam envergonhadas e acreditam que enquanto possam tratar-se com o respeito do "Lei" existirà aquela indiferença, proteçao e respeito.

O "tu" vem usado entre os pais, filhos, amigos e casais, ou seja, relacionamento em base a intimidade, afeto e calor humano.E por outro lado, quando os mesmos discutem é permitido as ofensas mais dolorosas e as expressoes sem educaçao. 

Jà ouvi falar a respeito de algo do mesmo tipo em Portugal, me parece em relaçao ao "Voce". Mas nao tenho total conhecimento. 

E ai, achou interessante, jà conhecia essa expressao entre os italianos?!

2 comentários:

Mara Azevedo disse...

Olá Daphne!

Sou brasileira e moro em Portugal com minha família brasileira.Tive que aprender um pouco sobre qual a melhor maneira de me comunicar com os portugueses e fazer tudo certinho. Fui educada a falar Sr. e Sra. com os meus pais e os mais idosos, sou dessa geração,então isso para mim é o normal e aqui a forma de tratamento é essa também, então, sem problema. Já com os da minha idade e com aqueles que eu não conheço, também falo Sr. e Sra. e se eu me sinto à vontade posso perguntar se posso usar o "Você" apesar de que aqui o "tu" é muito mais usado, daí você vai se acostumando e usa o tu normalmente. Acho lindo minhas meninas falando corretamente usando a 2ª pessoa do singular! Outra forma é de usar "menina" para alguém do sexo feminino que não se conhece.
Ex: A menina sabe se ainda tem pão? (independente da idade). A primeira vez que me chamaram por menina achei o máximo, me senti literalmente uma menina heheh. Foi num supermercado e a pessoa da caixa me perguntou "A menina tem mais trocado?", e a outra forma é quando se tem intimidade ou não, mas você sabe o nome daquela pessoa, como nos vendedores que tem o crachá na roupa, ou a professora do seu filho, enfim, você se dirige a essa pessoa pelo nome ou pela função..." A professora sabe se será feriado mesmo amanhã?" ou " O Paulo pode procurar para mim este produto SE FAZ FAVOR?".

Mas depende muito da região de Portugal. Moro no norte e no dia a dia é por aí.

Beijinhos!(Aprendi essa forma aqui).

Mara Azevedo

Daphne Desirée disse...

Oi Mara!
Bem vinda ao blog! Fiquei feliz com seu comentàrio, é sempre bom termos essa troca de informaçoes, adoro conhecer culturas diferentes.
Acho que ficaria como voce se alguèm ainda se referisse a mim dizendo "a menina..." hehehe.
Engraçado que sò o tempo mesmo para nos ajudar a acostumar com o que nao estamos acostumados...quando esse tempo passa, fica tudo mais fàcil e natural!
Obrigada pela participaçao,
bjinhos!
Daphne